MJ instaura processo administrativo contra Telexfree

sexta-feira, 28/6/2013

O DPDC – Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor da Secretaria Nacional do Consumidor instaurou processo administrativo contra a empresa TelexFREE (YMPACTUS Comercial LTDA) por indícios de formação de pirâmide financeira.

Segundo os autos, a empresa estaria ofendendo os princípios básicos do CDC, como o dever de transparência e boa-fé nas relações de consumo, além de veiculação de publicidade enganosa e abusiva.

O DPDC recebeu no início do ano denúncias de vários órgãos estaduais do Sistema Nacional de Defesa do Consumidor, principalmente do PROCON e MP do Acre. O caso é investigado pelos MPs de ao menos sete estados: Acre, Bahia, Espírito Santo, Mato Grosso, Minas Gerais, Pernambuco e Santa Catarina.

O DPDC oficiou diversos órgãos, inclusive a Comissão de Valores Mobiliários, Banco Central, Secretaria de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda e Conselho Administrativo de Defesa Econômica.

“A prática de esquemas de pirâmides, além de crime, acarreta danos irreparáveis aos consumidores. As empresas que incorrerem nessas práticas também serão sancionadas com base no CDC”, alertou Amaury Oliva, diretor do DPDC.

Caso seja confirmada a violação aos direitos e garantias previstos no CDC, a empresa poderá ser multada em mais de R$ 6 mi.

Entenda como a TelexFree funciona

A empresa que atende pelo nome fantasia de “Telexfree”, com sede no Espírito Santo, presta serviços de telefonia por meio da internet.

Para tornar os serviços conhecidos, a empresa vende pacotes a “divulgadores”, que compram e revendem contas e “recrutam” novos revendedores – tudo por meio da internet.

Contudo, para se tornar um divulgador, o interessado precisa pagar uma taxa de adesão e comprar os pacotes de contas, que custam a partir de US$ 289.

O trabalho de divulgação se expande para além da propaganda do produto. Os divulgadores devem, também, convencer outras pessoas a participarem. Elas, por sua vez, investem dinheiro, e proporcionam comissão a quem convidou.

Por esse esquema, as avaliações do MPF e do Ministério da fazenda apontam que a atividade comercial da empresa não é sustentável em longo prazo, e evidencia prática conhecida como “pirâmide financeira”, o que é considerado crime contra a economia popular. Telexfreesexta-feira, 28/6/2013

O DPDC – Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor da Secretaria Nacional do Consumidor instaurou processo administrativo contra a empresa TelexFREE (YMPACTUS Comercial LTDA) por indícios de formação de pirâmide financeira.

Segundo os autos, a empresa estaria ofendendo os princípios básicos do CDC, como o dever de transparência e boa-fé nas relações de consumo, além de veiculação de publicidade enganosa e abusiva.

O DPDC recebeu no início do ano denúncias de vários órgãos estaduais do Sistema Nacional de Defesa do Consumidor, principalmente do PROCON e MP do Acre. O caso é investigado pelos MPs de ao menos sete estados: Acre, Bahia, Espírito Santo, Mato Grosso, Minas Gerais, Pernambuco e Santa Catarina.

O DPDC oficiou diversos órgãos, inclusive a Comissão de Valores Mobiliários, Banco Central, Secretaria de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda e Conselho Administrativo de Defesa Econômica.

“A prática de esquemas de pirâmides, além de crime, acarreta danos irreparáveis aos consumidores. As empresas que incorrerem nessas práticas também serão sancionadas com base no CDC”, alertou Amaury Oliva, diretor do DPDC.

Caso seja confirmada a violação aos direitos e garantias previstos no CDC, a empresa poderá ser multada em mais de R$ 6 mi.

Entenda como a TelexFree funciona

A empresa que atende pelo nome fantasia de “Telexfree”, com sede no Espírito Santo, presta serviços de telefonia por meio da internet.

Para tornar os serviços conhecidos, a empresa vende pacotes a “divulgadores”, que compram e revendem contas e “recrutam” novos revendedores – tudo por meio da internet.

Contudo, para se tornar um divulgador, o interessado precisa pagar uma taxa de adesão e comprar os pacotes de contas, que custam a partir de US$ 289.

O trabalho de divulgação se expande para além da propaganda do produto. Os divulgadores devem, também, convencer outras pessoas a participarem. Elas, por sua vez, investem dinheiro, e proporcionam comissão a quem convidou.

Por esse esquema, as avaliações do MPF e do Ministério da fazenda apontam que a atividade comercial da empresa não é sustentável em longo prazo, e evidencia prática conhecida como “pirâmide financeira”, o que é considerado crime contra a economia popular.

TelexFree, fora do ar por decisão judicial, e agora??? Vc investiu???

Vamos destacar os principais pontos da decisão da Justiça do Rio Branco-(AC), 13 de junho de 2013, pela Juíza de Direito Thaís Queiroz B. de Oliveira A. Khalil.


Pedido:

20) a) Que seja determinada a suspensão das atividades da empresa  requerida, até o julgamento final da ação principal ou, alternativamente, que  seja determinada a intervenção judicial na mesma, pelo prazo de doze meses,  nomeando-se interventor com plenos poderes de gestão.
 
Fundamentação:
A princípio, não vejo razões para determinar a paralisação  indiscriminada das atividades da empresa, tampouco para se nomear interventor,  vez que o perigo está no crescimento da rede, o que pode ser evitado com medida  menos drástica, que permita à primeira requerida manter outras atividades,  acaso as exerça, o que nesta fase processual ainda é desconhecido pelo juízo.
Deve prevalecer neste momento o princípio da manutenção da
empresa, velando-se por sua função social, de modo que a decisão deve afeta-la  o mínimo possível, mas na medida necessária a acautelar o direito que será  objeto da ação principal.
 
Decisão: 
Sendo assim, indefiro os pedidos de que seja determinada a  suspensão das atividades da primeira requerida e de intervenção judicial sobre  a mesma.
************************************
Pedido
21) b) que sejam vedados novos cadastros de divulgadores bem como se impeça a empresa requerida de efetuar pagamentos aos divulgadores já cadastrados, até  o julgamento final da ação principal, sob pena de multa diária de R$500.000,00 (quinhentos mil reais).
Fundamentação:
Os fundamentos exarados na presente decisão concluíram pela forte presença de indícios no sentido de que as atividades da primeira requerida caracterizam-se com “pirâmide financeira”, prática vedada pelo ordenamento jurídico, que inclusive a tipifica como conduta criminosa.
Portanto, há urgência em paralisar-se o crescimento da rede, como forma de evitar-se seu esgotamento e consequentes prejuízos que poderá causar a um sem número de pessoas. Para tanto, urge impedir-se novos cadastramentos.
Tem-se notícias na sociedade rio-branquense que muitas pessoas  integraram a rede e obtiveram retorno financeiro muito além do investimento e muito acima da média do mercado financeiro. Por outro lado, por certo também há aqueles que ingressaram na rede há pouco tempo e não tiveram oportunidade de recuperar seu investimento, tornando-se necessário, em prol destas últimas,  impedir-se a redistribuição de recursos, como forma de viabilizar eventual ressarcimento às mesmas, no momento oportuno.
Em se confirmando a tese de que a atividade da primeira requerida configura a “pirâmide financeira”, o resultado será a nulidade de todos os contratos firmados com os divulgadores e restituição dos valores pagos aos que não obtiveram retorno suficiente ao ressarcimento do investimento. Para tanto, é imprescindível a existência de recursos disponíveis, os quais deverão ser direcionados aos que amargarem prejuízos, em detrimento, se necessários, daqueles que já lucraram com o negócio aparentemente ilícito.
Na hipótese inversa, constatando-se que a atividade da primeira
requerida em nada fere o ordenamento jurídico pátrio, retomam-se os cadastramentos e a distribuição de comissões e onificações.
Como dito, a medida é acautelatória e tem por fim assegurar o  resultado prático da ação principal a ser proposta. Necessita ser aplicada em caráter imediato, inaudita altera pars, pois o tempo propicia o crescimento da rede, potencializando os prejuízos.
O próprio requerido informou nos autos que tem alienado cerca de um milhão de contas VOIP por mês (acredita-se que em grande parte aos próprios divulgadores).
Menciona que em período de três meses recolheu mais de  R$71.000.000,00 em imposto de renda relativos aos repasses aos divulgadores.

Alega que, em onze dias, distribuiu mais de R$800.000.000,00 aos divulgadores.
Os números mostram a proporção e o alcance do negócio. Se em trinta dias são vendidas cerca de um milhão de contas VOIP, pode-se dizer que, por dia, são realizados cerca de seiscentos novos cadastros ADCentral Family, todos com risco de não recuperar o investimento.
Decisão:
Destarte, defiro os supracitados pedidos, determinando à primeira requerida que se abstenha, até ulterior deliberação, de admitir as adesões à rede, seja na condição de “partner” ou de “divulgador”, abstendo-se, para tanto, de receber os ditos Fundos de Caução Retornáveis e Custos de Reserva de Posição e de vender kits de contas VOIP 99Telexfree (ADCentral ou ADCentral Family), sob pena de pagamento de R$100.000,00 (cem mil reais) por cada novo cadastramento ou recadastramento.
Determino, também, que a primeira requerida se abstenha de pagar comissões, bonificações e quaisquer outras vantagens aos “partners” e divulgadores, também sob pena de incidência da multa acima estipulada, por cada pagamento indevido.
************************************
Pedido:
22) c) que seja determinada a suspensão do registro de domínio (sítio eletrônico) www.telexfree.com, ou, alternativamente, que o mesma seja tornado indisponível (fora do ar) até julgamento final da ação, sob pena de multa diária de R$2.000.000,00 (dois milhões de reais).
Fundamentação:
Considero que simplesmente tirar do ar a página que a primeira  requerida mantém na internet pode inviabilizar os milhões de divulgadores de ter acesso a informações sobre o que motivou a medida e sobre seus eventuais créditos perante a mesma.
Decisão:
Portanto, reputo mais adequado, em lugar disto, e como forma de viabilizar o cumprimento da decisão proferida no item acima, determinar à primeira requerida que modifique seu sistema, de modo a não permitir novos cadastros através dos “back offices”, sob pena de multa diária de R$500.000,00 (quinhentos mil reais).
Além disso, deverá a primeira requerida disponibilizar na página http://www.telexfree.com, no prazo de dois dias, um “pop-up”, que deverá aparecer na tela assim que acionada a página, com o seguinte texto:
Por força de decisão judicial proferida em 13 de junho de 2013, pela Juíza de Direito Thais Queiroz B. de Oliveira Abou Khalil, nos autos de Ação Cautelar Preparatória nº 0005669-6.2013.8.01.0001, ajuizada pelo Ministério Público do Estado do Acre, em trâmite na 2ª Vara Cível da Comarca de Rio Branco-AC, estão proibidas novas adesões à rede Telexfree, na condição de partner ou divulgador; estão vedados os recebimentos, pela Telexfree, de Fundos de Caução Retornáveis e Custos de Reserva de Posição; estão proibidas as vendas de kits de contas VOIP 99Telexfree nas modalidades ADCentral e ADCentral Family; estão proibidos os pagamentos, aos partners e divulgadores, de comissões, bonificações e quaisquer vantagens oriundas da rede Telexfree
(decorrentes de vendas de contas VOIP 99 Telexfree, de novos cadastramentos, de postagens de anúncios, de formação de binários diretos ou indiretos, de royalties, de Team Builder, dentre outras porventura devidas); que o descumprimento a qualquer das determinações acima enseja o pagamento de multa de R$100.000,00 (cem mil reais) por cada novo cadastramento ou recadastramento e por cada pagamento indevido
.”
A medida ora determinada terá o condão de levar ao conhecimento de todos os divulgadores e pretensos divulgadores da primeira requerida a existência da presente ação e o conteúdo da presente decisão.
Para o caso de descumprimento, determino a incidência de multa diária de R$500.000,00 (quinhentos mil reais).
***********************************
Pedido:
23) d) que seja desconsiderada liminarmente a personalidade jurídica da empresa Ympactus Comercial Ltda., a fim de responsabilizar subsidiariamente seus sócios dirigentes;
Fundamentação:
Já foi citado que a relação de consumo entre a primeira requerida e seus divulgadores e “partners” existe, porém em plano secundário, o que afastaria a possibilidade de aplicação dos requisitos mais alargados para desconsideração da personalidade jurídica (teoria menor da desconsideração da  personalidade jurídica), especialmente nesta fase processual, em decisão proferida inaudita altera pars.
O pleito deve ser apreciado, então, sob o enfoque da legislação
cível ordinária, que também admite a desconsideração da personalidade jurídica, para que os efeitos de certas obrigações sejam estendidos aos bens particulares dos administradores ou sócios da pessoa jurídica, “em caso de abuso de personalidade, caracterizado pelo desvio de finalidade, ou pela confusão patrimonial” (art. 50, CC).
O documento de p. 11 mostra que a requerida Ympactus Comercial Ltda. é uma microempresa, com sede em Vitória ES, cuja atividade econômica principal é “intermediação e agenciamento de serviços e negócios em geral, exceto imobiliários” e as atividades secundárias são “portarias, provedores de conteúdo e outros serviços de informação na internet”.
Entretanto, o que se percebe de sua atividade prática são fortes
indícios de prática ilícita e quiçá criminosa, apta a atingir negativamente a milhares de pessoas, não apenas no Estado do Acre, mas em todo o Brasil e também em outros países onde já há participantes da rede que construiu (vide depoimento de Shawke Lira Sandra), aparentemente sob a forma de marketing multinível, mas em verdade com fortes características de “pirâmide  financeira”.
Todo o contexto sinaliza o desvio de finalidade, o que configura o
abuso da personalidade jurídica, justificando a desconsideração da mesma, conforme permite o art. 50 do Código Civil, sem impor como condição a comprovação da insolvência da pessoa jurídica.
No caso em exame não se sabe se haverá dever de indenizar e se a primeira requerida teria suporte financeiro necessário a custear eventuais reparações. No entanto, há plausibilidade na tese do Ministério Público, no sentido de que a mesma construiu uma “pirâmide financeira”, fato que, uma vez comprovado, redundará em obrigações ressarcitórias, não sendo possível estimar em qual montante, mas, a julgar pelo grande número de cadastros apenas no Estado do Acre (cerca de setenta mil) e pelos números apontados na manifestação da primeira requerida, certamente alcançará grandes cifras, com fortes
probabilidades de não poderem ser custeadas pela pessoa jurídica em questão.
Portanto, estão presentes o fumus boni iuris e o periculum
in mora,
este último caracterizado pela necessidade de não obstacularizar a integral reparação dos danos causados, resguardando-se de pronto numerário suficiente ao ressarcimento futuro dos milhares de divulgadores, devendo preponderar, quanto a este tópico, o interesse coletivo.
A desconsideração da personalidade jurídica, nesta fase  processual, representa garantia ao direito coletivo, que poderia ficar descoberto na hipótese de insolvência da pessoa jurídica.
Vejam-se a respeito as lições de Cristiano Chaves de Farias e Nelson  Rosenvald:

“Não é requisito para a obtenção da desconsideração a comprovação da insolvência da pessoa jurídica. Em  outras palavras, a aplicação do disregard theory ‘prescinde da demonstração de insolvência da pessoa jurídica’, comoreconheceu o Enunciado 281 da Jornada de Direito Civil. É que a desconsideração pode ser utilizada com finalidade preventiva, como mecanismo de evitar futuras fraudes,e não apenas como meio de recomposição de danos já causados. Não se pode exigir, pois, a prova da efetiva insolvência.Farias, Cristiano Chaves.
Rosenvald, Nelson. Direito Civil, Teoria Geral, 8ª edição, 2ª tiragem, Rio de
Janeiro, Editora Lumen Juris, 2010, pp. 386/387.

Por outro lado, obtempera-se que a desconsideração da  personalidade jurídica não deve atingir indistintamente a todos os sócios, devendo-se preservar aqueles que, por não integrarem a administração empresarial, não têm poderes acerca da condução dos negócios. A respeito já foi editado Enunciado na Jornada de Direito Civil:

“Enunciado 7: só se aplica a desconsideração da personalidade jurídica quando houver a prática de ato irregular e, limitadamente, aos administradores ou sócios que nela hajam incorridos.”

Decisão:
Neste cenário, acata-se liminarmente o pleito de desconsideração da personalidade jurídica de Ympactos Comercial Ltda., para que a presente decisão alcance, também, aos seus sócios administradores, indicados no contrato social
de pp. 644/648, quais sejam, Carlos Roberto Costa e Carlos Nataniel Wanzeler. 
*******************************
Pedido:
24) 
  • e) que seja ordenada a indisponibilidade dos bens móveis e
    patrimônio líquido da empresa, bem como dos sócios administradores, a fim de que na liquidação de sentença, se adequado for , seja feito rateio dos mesmos, conforme os investimentos, indicando bens relacionados na petição inicial;
  • f) que seja ordenado ao Banco Central o bloqueio das contas bancárias existentes, bem como as aplicações financeiras, valores e bens depositados ou custodiados em nome de todos os requeridos, a fim de que na liquidação da sentença, se adequado for, seja feito o rateio das mesmas,  conforme os investimentos, sob pena, inclusive, de outras liminares, por outros juízos, serem concedidas e inviabilizar as indenizações;
  • h) que seja ordenada a expedição de ofícios aos Cartórios de Registro de Imóveis e aos Cartórios de Títulos e Documentos de todas as cidades do Estado do Espírito Santo, para que se abstenham de transferir ou efetuar qualquer transação referente aos bens da empresa, dos sócios, cônjuges e administradores, impedindo-se também transcrições, inscrições ou averbações de
    documentos públicos ou particulares, arquivamento de atos ou contratos que importem em transferência de quotas sociais, ações, ou partes beneficiárias, realização ou registro de operações e títulos de qualquer natureza e processamento da transferência da propriedade;
  • i) que seja dado conhecimento à Junta Comercial do Estado do Espírito Santo acerca da indisponibilidade dos bens da requerida, de seus sócios e cônjuges, determinando que se abstenha de proceder ao registro de empresa em nome da ré e de seus sócios e cônjuges, bem como de proceder a  transferência de quaisquer empresas ou cotas em nome dos referidos;
Fundamentação:
Os quatro pedidos acima transcritos visam, em síntese, a decretação de indisponibilidade dos bens da pessoa jurídica e de seus sócios administradores. A própria jurisprudência define a medida:

“MEDIDA CAUTELAR.  INDISPONIBILIDADE DE BENS. A indisponibilidade de bens é medida cautelar para
garantir o resultado útil de eventual ação de regresso proposta pela apelada. E, por ser medida cautelar, o seu deferimento sujeita-se aos requisitos do fumus boni iuris e do periculum in mora. Apelação cível desprovida. (Apelação Cível Nº 70053630075, Sétima Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Jorge Luís Dall’Agnol, Julgado em 29/05/2013).”

Toda a argumentação lançada para fundamentar o deferimento do pedido de desconsideração da personalidade jurídica pode ser reprisada neste tópico, visto sua pertinência para subsidiar a tese da necessidade de retirar-se da pessoa jurídica requerida e de seus sócios administradores o poder de disponibilidade sobre seus bens e valores, como forma de evitar prejuízo ao direito coletivo que advier na hipótese de reconhecimento efetivo da prática de “pirâmide financeira”.
A ideia é que, paralisado o crescimento da rede através da  abstenção de novos cadastramentos, todo o recurso a princípio voltado a custear as comissões e benefícios devidos aos divulgadores de um modo geral sejam somados ao patrimônio da pessoa jurídica e de seus sócios administradores, como forma de resguardar o ressarcimento daqueles divulgadores que vierem a sofrer danos decorrentes da participação no negócio ilícito, pois os números noticiados na inicial quanto à participação no esquema são alarmantes, gerando a ideia de que os prejuízos podem alcançar cifras significativas, justificando todo o esforço financeiro dos responsáveis para efetiva reparação.
Decisão:
Portanto, verificando mais uma vez a presença dos requisitos  legais necessários à concessão da medida acautelatória pleiteada (fumus boni iuris e periculum in mora), determino a indisponibilidade de todos os bens móveis, imóveis e valores existentes em contas bancárias e aplicações financeiras de propriedade da primeira requerida e de seus sócios administradores (Carlos Roberto Costa e Carlos Nataniel Wanzeler), estendendo a decisão, quanto aos imóveis destes
últimos, também aos seus respectivos cônjuges.
Para viabilizar o cumprimento da presente decisão, determino a
expedição de ofícios a todos os Cartórios de Registro de Imóveis de Vitória e Vila Velha ES (sede da empresa e domicílio dos sócios administradores), ordenando a anotação de indisponibilidade à margem das matrículas de todos os imóveis de propriedade da Ympactus Comercial Ltda., Carlos Roberto Costa, Carlos Nataniel Wanzeler e respectivos cônjuges.
Oficiem-se, ainda, a todos os Cartórios de Títulos e Documentos de Vitória e Vila Velha ES, ordenando que se abstenham de registrar quaisquer atos que importem em transferência de quotas sociais, ações, ou partes beneficiárias, realização ou registro de operações e títulos de qualquer natureza, referentes a Ympactus Comercial Ltda., Carlos Roberto Costa e Carlos Nataniel Wanzeler.
Determino, também, a anotação de restrição de transferência, via RENAJUD, quanto a todos os veículos de propriedade da Ympactus Comercial Ltda., Carlos Roberto Costa e Carlos Nataniel Wanzeler. 
Determino o bloqueio de valores existentes em contas bancárias e aplicações financeiras mantidas por Ympactus Comercial Ltda., Carlos Roberto Costa e Carlos Nataniel Wanzeler, através da pedição de ofício ao Banco Central do Brasil.
Determino, por fim, que seja dado conhecimento à Junta Comercial do Estado do Espírito Santo acerca da indisponibilidade dos bens da requerida e de seus sócios administradores, determinando que se abstenha de proceder a
transferência de quaisquer empresas ou cotas em nome dos referidos.
Considerando que a decisão impõe a indisponibilidade dos bens e não obsta a aquisição de patrimônio (embora praticamente a inviabilize por via de consequência), não há razões para se determinar à Junta Comercial que não registre novas empresas em nome da primeira requerida e de seus sócios administradores, razão pela qual indefiro tal pleito.
O pedido formulado no item “h” resta prejudicado pela expedição de ofícios aos Cartórios de Registro de Imóveis dos Municípios da sede da empresa e domicílio dos sócios administradores, pois o registro da indisponibilidade dos bens é suficiente a coibir a transferência da propriedade.
**********************************
Pedido:
25) g) que seja ordenado à Receita Federal que encaminhe cópias das cinco últimas declarações de bens oferecidas pela empresa requerida e por seus sócios administradores, e que sejam oficiadas à Junta Comercial do Espírito Santo, ao Departamento de Trânsito do Espírito Santo, aos Cartórios de Registro de Imóvel e Títulos e Documentos da Capital e dos Municípios do Estado do
Espírito Santo, para informarem a existência de bens em nome dos requeridos e respectivos cônjuges.
Decisão:
Defiro a primeira parte do pedido, determinando que seja
consultada a informação acerca das cinco últimas declarações de imposto de renda de Ympactus Comercial Ltda., Carlos Roberto Costa e Carlos Nataniel Wanzeler, via INFOJUD, como forma de trazer ao conhecimento do juízo informações acerca dos rendimentos e patrimônios dos mesmos.
Indefiro os pleitos referentes à solicitação de informações acerca
da existência de bens à Junta Comercial do Espírito Santo, ao Departamento de Trânsito do Espírito Santo e aos Cartórios de Registro de Imóveis e Títulos e Documentos do mesmo Estado, vez que tais providências podem ser adotadas pela parte requerente, sem necessidade de intermediação do juízo.
********************************
Se desejarem a integra da decisão, favor solicitar que encaminharemos por email
Moyses Neva
moysesneva@gmail.com

Seis mil dólares por mês

Você achou interessante o post anterior, onde voce pode ganhar USD 600,00 (seiscentos dólares) por mes…. Sem gastar nada!!!

Maravilha, agora vou lhe mostrar com ganhar USD 6.000,00 (seis mil dólares) por mes.

É, é isso aí que voce ouviu…. SEIS MIL DOLARES POR MES

Agora voce precisa fazer um investimento… voce deve estar falando “sabia que nada é de graça”.
Veja com apenas USD 29,90 (vinte nove dolares e noventa cents). Voce receberá 35 links por dia, um total de 1000 links por mes.
Fazendo as contas temos USD5.000,00 (cinco mil dólares).
Meu Deus, esse cara ta maluco, falou que iria ganhar USD6.000,00, e agora a conta deu USD5mil !!!
Espera um pouco que vou explicar.
Voce receberá os seguintes liks/valores
1 link de 120segundos no valor de USD 20
2 links de 90segundos no valor de USD 15 cada
2 links de 60segundos no valor de USD 10 cada
Ufa!!!
Não vou fazer as contas aqui, por que vai ficar muito cansativo, mas é simples (30×5=150) + (1×20) + (2×15) + (2×10) = USD 220,00 por dia
Se voce fizer seus cliques todos os dias, no final de um mes (30 dias) voce terá acumulado USD 6.000,00
Apenas entrando no  bux inc você se cadastra e começa a ganhar com as visitas nos sites.
Como funciona:
O sistema é muito fácil de ser usado confira!!!
 A cada dia que você for entrar na sua conta você vai se deparar com quatro links ou mais depende do quantos eles disponibilizarem.
bux-links
Você vai entrar em cada um dos links ( um por vez) esperar dar os 30 segundos
Depois desse tempo vai aparecer ” clique 9 ou outro numero ” e vai aparecer alguns números juntamente com um 2 você clica nesse 2 e espera o site acabar de carregar.
O número que aparecer pedindo para clicar você clica, você estará confirmando que você visitou a página.
bux-30segundos bux-numero
Pronto você estará recebendo seus $ 5 . Detalhe em Dolar
Bux inc tem um valor mínimo para você solicitar o resgate que é de  $ 5.000,00 (cinco mil dólares americanos).

Você receberá 50 % desse valor e a empresa outros 50%.

Por ultimo você poderá adicionar novas pessoas em sua rede ,  o melhor é que você também ganha por cada indicação tendo uma porcentagem  em cada indicação.

Todas as vezes que seu indicado estiver visitando as páginas, você estará ganhando uma quantia.

Para se cadastrar é  muito fácil basta entrar no site (copie e cole no seu browser http://www.buxinc.com/index.php?ref=moysesneva) e você será redirecionado para a página, clique no menu Register para  fazer o cadastro.
  bux-registro
Veja na imagem abaixo o passo-a-passo, é simples, em menos de 2 minutos você estará cadastrado.
bux-cadastro
Pronto!!!! Junte-se ao  grupo  Bux inc
Boa sorte !!!
Moyses Neva

Clique para ganhar em dólares americanos

Como ganhar dinheiro com Bux inc eles pagam $ 5 por  clique

Venho hoje falar de uma oportunidade de ganhar dinheiro na internet, no começo eu achei que não era possível.

Mas mudei de opinião quando encontrei o Bux inc, o que mais me motivou entrar nesse programa é que não preciso pagar nada para participar.

A verdade é que ninguém quer perder dinheiro, ao contrário todos querem ganhar . Mas para isso basta acreditar e trabalhar para acontecer.

Não pagar nada foi um dos pontos mais forte para testarmos esse modelo de negócio.

Muitas das vezes ficamos na dúvida, quando tem que se pagar para participar, mas no Buxinc isso não acontece…

O Buxinc é um site que paga você para clicar e ficar 30 segundos visitando as páginas que são disponibilizadas pelo site.

Apenas entrando no  bux inc você se cadastra e começa a ganhar com as visitas nos sites.
Como funciona:
O sistema é muito fácil de ser usado confira!!!
 A cada dia que você for entrar na sua conta você vai se deparar com quatro links ou mais depende do quantos eles disponibilizarem.
bux-links
Você vai entrar em cada um dos links ( um por vez) esperar dar os 30 segundos
Depois desse tempo vai aparecer ” clique 9 ou outro numero ” e vai aparecer alguns números juntamente com um 2 você clica nesse 2 e espera o site acabar de carregar.
O número que aparecer pedindo para clicar você clica, você estará confirmando que você visitou a página.
bux-30segundos bux-numero
Pronto você estará recebendo seus $ 5 . Detalhe em Dolar
Bux inc tem um valor mínimo para você solicitar o resgate que é de  $ 5.000,00 (cinco mil dólares americanos).

Você receberá 50 % desse valor e a empresa outros 50%.

Por ultimo você poderá adicionar novas pessoas em sua rede ,  o melhor é que você também ganha por cada indicação tendo uma porcentagem  em cada indicação.

Todas as vezes que seu indicado estiver visitando as páginas, você estará ganhando uma quantia.

Para se cadastrar é  muito fácil basta entrar no site (copie e cole no seu browser http://www.buxinc.com/index.php?ref=moysesneva) e você será redirecionado para a página, clique no menu Register para  fazer o cadastro.
  bux-registro
Veja na imagem abaixo o passo-a-passo, é simples, em menos de 2 minutos você estará cadastrado.
bux-cadastro
Pronto!!!! Junte-se ao  grupo  Bux inc
Vamos as contas:
Sem gastar NADA, você terá direito a 4 links por dia e o Buxinc te paga USD5,00 por clique.
Então você ganha USD 20,00 por dia e USD600,00 por mês, hoje com o dolar a R$2,15 você receberia R$ 1.290,00/mês, melhor você precisa de apenas 3 minutos por dia.
Você pode fazer isso através do seu celular, ipad, tablet, etc.
Ali na fila do banco, no intervalo de uma aula, no metro, no onibus em qualquer lugar.
Detalhes importantes:
Voce só pode resgatar quando tiver o valor minimo de USD5.000,00.
Assim, se voce for um usuário free (4 links/dia) voce precisará trabalhar durante 8 meses para solicitar seu primeiro resgate.
É preciso se cadatrar no site http://www.payza.com para receber seus créditos.
Em um próximo post falaremos sobre o cadastro paiza, é bem simples, mas vou disponibilizar o passo-a-passo.
Boa sorte !!!
Moyses Neva